A Sina do Fim – Conto da origem

A Sina do Fim – Conto da origem

Sina do Fim

Algo em torno dos anos 500 a 1000, uma grande guerra acontece, de um lado os deuses celestes, e de outro, deuses que foram expulsos do Reino Celeste.

Os que foram expulsos, eram um grupo que estava sob comando do irmão do Deus Rei, Sirils,  era um grupo de elite do Reino, eles que construíram o mundo Sirils e tudo que nele existe, eram formados principalmente por filhos do Deus Rei, mas, por motivos desconhecidos, se viraram contra o Deus Rei, e o mesmo expulsou o grupo todo do Reino Celeste e também do mundo Sirils.

Assim iniciou-se uma guerra entre os deuses, que quase destruiu metade do planeta Sirils, até que o lado Celeste mostrará ser mais forte e dizimou quase todos os deuses caídos, restando apenas poucos deles, dentre eles:

Esse é o grupo principal do deus Sirils. 

Quando Sirils viu que estava perdendo a guerra, ele junto com os outros com seu principal grupo fugiram para um esconderijo desconhecido, para se reorganizar.

  • Merda, merda, merda, merda… – Aura diz enquanto chutava a parede.

  • Por que o Deus Rei tinha que nos tirar do mundo que nós criamos… nós que demos nosso melhor para criar, nós que ficamos dias e dias ensinando nossa criação a como viver juntos, espalhamos cada um para uma parte do mundo, ensinamos a caçar e comer… Mesmo eu sabendo do futuro, não deixa de ser doloroso…. – Milleny falava agachada de cabeça baixa e chorando

  • Olha só, podemos ter perdido a batalha de agora, mas, não perdemos a guerra. – Sina

  • Pena que seu poder não funciona contra o reino celeste… – Sirils diz olhando para a Sina.

  • Nós precisávamos perder essa batalha, não é Mi? – Sina

  • Sim, por enquanto estamos caminhando pelo caminho correto do tempo, o caminho que nós vencemos! – Milleny diz enxugando as lágrimas.

  • Você já viu todas as nossas possibilidades de futuro? – Sirils

  • A maioria, todas é impossível, são tantas variáveis… – Milleny

  • Outro dia que a Milleny e eu juntamos nossos poderes, isso antes da guerra, para ver se ganhamos a guerra, todos os destinos que olhamos indicavam que íamos perder, independente do que fizéssemos, mas, um único destino indicava que fugiríamos apenas nós 4, e esse nós teríamos uma escolha, um é nós desistirmos do mundo e seguir rumo ao espaço infinito para encontrar um novo planeta e criar outro mundo só nós, mas correndo risco do Deus Rei nos encontrar, o outro é sacrificarmo-nos para proteger esse planeta. – Sina

  • Sacrificar? Como assim? – Sirils

  • Aham, eu me sacrifico por humanos… Conta outra – Aura

  • Por nós eu sei que você faz Aurinha – Mileny

  • Ah, foda-se! – Aura diz se virando de costas.

  • Os demônios têm domínio de uma magia ancestral, onde eles conseguem pegar fragmentos de nossas almas de deus e passar para outro corpo que comporte esses fragmentos, fazendo assim nossos poderes de deuses serem passados à algum humano do planeta, tornando-os praticamente os deuses que somos, assim deixaremos instruções para que eles se organizem em uma guerra contra os deuses celestes. – Sina

  • A idéia parece ser interessante, mas, os humanos são fracos, eles não iriam suportar nossas almas… – Aura

  • Nem todos, existem alguns que comportam, só que em um tempo bem distante do nosso atual, lá pelos anos 2 a 4 mil, não lembro ao certo, se toparem essa idéia, nossas almas ficarão vagando por todos esses anos, mas, por volta desse tempo, elas encontraram o corpo desses humanos ainda na barriga de suas mães. Depois que crescer eles serão magos muito poderosos por si só, e ainda receberão os nossos poderes, que a deixarão ainda mais poderosos, a nível nosso ou maior. – Milleny

  • Mas mesmo assim, lidar com demônios, não me parece uma coisa boa,,, – Sirils.

  • Eu me lembro que desses destinos que ela está falando, muitos nós falamos com demônios que apenas nos traíram, e roubaram as nossas almas, mas, alguns específicos nos ajudaram, e é com esses que devemos falar. Eu me lembro de alguns, mas na dúvida poderia usar o meu poder e conferir um por um qual é o confiável… – Milleny

  • Bem… Esquecer esse  mundo está fora de questão né? – Aura

  • Exatamente! – Sirils

  • Ah, por que eu não consigo dizer não à vocês… a Sina usou seu poder em mim? – Aura

  • Absolutamente não! Se vier é por sua própria vontade! Aliás, você sabe que meus poderes não afetam outros deuses – Sina

Assim, os deuses foram até o submundo, local onde os deuses não interferem, regido por um Reino de demônios com cada um na sua função da cadeia de comando, mas, quem o grupo de Sirils queria, era especificamente Sitri, um príncipe dos demônios e comandante do clã de Succubus (Clã de demônios que usa o amor entre os sexos para roubar suas energias vitais e utilizar como fonte de seus poderes mágicos). 

  • Olá bonitão, você está sendo bem comentado aqui nos reinos do submundo, um deus caído por aqui é uma novidade bem grande desde a queda de Lúcifer – Sitri aparece atrás de Sirils abraçando-o em forma de uma mulher. – E vocês, deusas, querem um homem pra vocês ou preferem mulheres? Se quiserem viver aqui em paz serão muito bem vindas, recebemos bem quem é contra o Deus Rei! Ao menos o nosso clã, os outros eu não sei…
  • Desculpe Sitri, mas não viemos por sexo nem por moradia não… – Sirils
  • Ah, é, estava animado já, finalmente poderia brincar com o irmão do Deus… – Sitri diz enquanto voltava ao seu trono.

Ao chegar em seu trono, ele mudou de forma, retornando à sua forma original, uma criatura sem sexo, corpo de humano com cabeça semelhante à uma onça, asas de grifo brancas e dois grandes chifres..

  • Estamos atrás de Misha… – Sina
  • Misha, a minha bruxinha favorita? Como vocês sabem que eu tenho ligação com ela? – Sitri – Ah, verdade, olha com quem estou falando, a deusa do Destino…
  • Nós pagamos pelo favor que pediremos a ela e a vocês, uma vez que nosso pedido irá envolver ela e seu clã. – Milleny.

Sitri então se transforma em um homem e se aproxima de Milleny abraçando-a por trás.

  • Aé, que tipo de pagamento estamos falando, contratar serviços de succubus não é qualquer tipo de pagamentos que aceitamos… – Sitri
  • Sabemos disso, só o meu corpo já é um bom valor, uma vez que eu sou virgem, mas, estamos dispostos a entregar todos os nossos corpos à vocês, em troca do que vamos pedir… – Milleny
  • Nossa, mas isso é um valor e tanto, o que vocês realmente querem? – Sitri diz enquanto voltava a sua forma original
  • Trás a Misha aqui que vamos explicar tudo! – Sirils

Assim Sitri trás a Misha até o local.

  • Olá Sitri, me chamou? – Misha
  • Os queridos deuses caídos aí tem um pedido à você e disseram que vão pagar com seus corpos…
  • Queee, como assim? – Misha
  • Misha Mayons, você é a Bruxa que conseguiu conquistar o Submundo, e é a única que consegue utilizar de magias ancestrais, aquelas que nem os deuses têm capacidade de usá-las. Viemos lhe pedir para nos ajudar, em troca daremos nossos corpos para o submundo e à você. – Sirils
  • Mas o que vocês precisam para custar algo tão caro quanto o corpo dos deuses? – Misha
  • Precisamos que você remova nossas almas e a transfira para outro corpo no futuro e entregue umas instruções às pessoas que receberem nossas almas. – Sina
  • Eu iria perguntar se não existia outra forma de vencer o  Deus Rei do que sacrificando seus corpos assim, mas, vindo da deusa do tempo, vejo que vocês já devem ter olhado tudo sobre seus futuros…
  • Sim, essa é a nossa única chance – Milleny
  • Tudo bem então, o pedido de vocês será cumprido! – Misha – Venham comigo!

Misha então os leva para uma lugar com alguns símbolos mágicos, e Misha faz uma série de demônios succubus se ajoelharem em volta de um círculo mágico e pede para os deuses ficarem no centro do círculo. Assim que eles vão para o centro começa a subir uma energia  no círculo e Misha fica recitando palavras desconhecidas. Cerca de 10 minutos depois os corpos dos deuses caem no chão já sem alma, e Misha finaliza sua magia.

  • Pronto, agora a alma deles irá vagar pelo mundo até encontrar um corpo em formação que possa aguentar os fragmentos da alma deles. Acho difícil ter um corpo que aguente, mas como se trata da deusa do tempo e do destino, eles podem ter visto que vá aparecer… – Misha
  • Agora o corpo deles é nosso… Misha, pegue o corpo da Sina para você… – Sitri
  • Não, pode ficar a vontade, não precisa não, fiz isso mais pra ajudar eles… – Misha
  • Mas para sua segunda missão, eu acho que será mais fácil com o corpo da Sina!
  • Pode ser… talvez… – Misha

Assim, misha pega o corpo da Sina, e com isso ela pode se transformar na deusa quando quisesse, e então foi embora…

Milhares de anos depois…

Misha caminhava pelas estradas de uma vila à leste do Reino Minerik, em Sirils, utilizando a forma da deusa Sina, quando uma garota de cabelos azul claro e pontas rosas, utilizando um fone, se aproximou dela e disse:

  • Você me parece tão familiar, parece que estou olhando pra mim mesma… – Garota

Fim!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.